Converso muito com os meus pacientes acerca da ‘inflamação crónica’ (que é contínua e muitas vezes silenciosa). É uma das maiores responsáveis pelo aparecimento de doenças e por várias alterações metabólicas. Falamos em artrite, doenças cardíacas, diabetes, obesidade, problemas neurológicos e até cancro.

Mas além disto, a inflamação crónica é também responsável por outros desequilíbrios como celulite, dor de cabeça, problemas intestinais, etc, etc, enfim uma lista bastante extensa. Na verdade, ‘tudo pode’ começar com uma inflamação!

A alimentação correta pode nos fornecer os factores anti-inflamatórios que nos protegem contra estes fenómenos. ‘Desinflamar o paciente’ deve ser o foco principal em qualquer acompanhamento nutricional! Trabalhando sempre sob o ‘pensamento’ de que uma informação correta para a célula (ou seja, correto nutriente), ela trabalhará bem, e o inverso também é correto!

Claro que não nos podemos esquecer que para ‘desinflamar’, começamos sempre por retirar o que inflama, ou seja:

– Açúcar e adoçantes químicos (doces, produtos light como gelatinas e iogurtes, etc)
– Gorduras saturadas e trans (bolos, folhados, etc)
– Fritos e alimentos ‘queimados’
– Álcool
– Carnes processadas (salsichas, fiambres: de todo o tipo, incluindo o de aves e outras charcutarias)
– Refrigerantes e sumos embalados
Fast Food
– Trigo refinado (pão, bolachas, tostas)
– Aditivos e conservantes

Então, e para vos facilitar, durante os próximos 7 dias irei partilhar 7 alimentos anti-inflamatórios que devemos incluir na nossa alimentação para nos ajudar a proteger contra estes fenómenos! (fiquem atentos ao Instagram e ao Facebook)